AVISO IMPORTANTE:

* Nossa casa fica em Porto Alegre (RS). Para maiores informações, contate-nos via e-mail.




segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Ritual do Amaci 2016 - 1ª Parte - Assentamento


Por Cândida Camini

Era noite de assentamento do Amaci.
Os médiuns que iam chegando, na sua quase totalidade, percebiam na pele e na alma, somente a energia reinante.
Na matéria, o Terreiro já estava pronto para o ritual.
No astral, desde a noite anterior já aconteciam os preparativos.
Passo a relatar aqui o que a Luciana, médium clarividente do grupo, pode perceber.

O Terreiro havia sido transformado em uma grande aldeia e no congá, um enorme paredão de pedras, onde havia uma vertente de água pura e cristalina.
O chão era de terra e ao redor, árvores enormes.
No centro da aldeia, no chão, onde na matéria havia sido riscado um triângulo, que abrigaria os alguidares com os elementos de cada médium, uma espécie de canaleta formava o triângulo, por onde corria a água que vinha da vertente no congá.
No centro do triângulo, vários feixes de ervas, que os Pretos Velhos haviam preparado na noite anterior.
Durante o ritual da defumação, vários índios passavam energizando os médiuns com seus chocalhos e entoando cânticos.
Momentos antes da chegada do nosso Comandante, Ogum Beira Mar, o chão do Terreiro aquecia e vibrava intensamente, tal era a energia reinante.

Seu Beira Mar chega então, na vibração do seu ponto, entoado pelos médiuns presentes.
Vestia uma armadura com elmo, toda em aço. Na mão uma espada cravejada de pedras na empunhadura, pedras estas nas cores verdes e, ao centro do cabo da espada, uma cruz com pedras vermelhas.

Ao erguer a espada, uma luz muito forte refletiu direto nos alguidares e estes começaram a girar, impulsionados por aquela energia.
Os médiuns cantavam os pontos, chamando todas as linhas e, conforme os guias iam incorporando, a energia dos alguidares mudava, identificando cada linha.
No momento da linha das águas, o líquido dos alguidares fervia e, de alguns deles,  a água saia de dentro do alguidar, formando um redemoinho impressionante, tamanha a energia emanada pelas entidades.
As entidades femininas doavam luz e cor aos alguidares, a todos sem exceção, e iam formando  um lindo arco íris.
Liderando a Linha de Pretos Velhos, Pai Joaquim de Cambinda chega e acende, com seu cachimbo, os feixes de ervas que estavam no centro do triângulo. A fumaça que se formou foi encobrindo e energizando um a um, todos os alguidares, que iam sendo cobertos pela fumaça, quase desaparecendo.
Durante a energização dos alguidares pelas entidades, elementos como água, fumaça, flechas energéticas, machados, facas, lenços, ervas, espadas, laços, chicotes, riscavam o triângulo com uma energia tão grande que pareciam raios.
Um dos Mestres da Linha do Oriente fez levitar os alguidares, até unirem-se no alto, como se eles não estivessem pesados. E de suas mãos saíram fios iluminados de um azul muito intenso.
Ao se aproximar o término do ritual, os espíritos presentes começaram a entoar cânticos, que não eram exatamente os pontos que cantamos durante os trabalhos, cantavam em outras línguas, índios e negros acompanhavam o ritmo pisando forte com os pés no chão, o que produzia uma energia que ia envolvendo e firmando a corrente.
Antes do encerramento, Ogum Beira Mar ergue uma cortina energética ao redor do triângulo onde permaneciam os alguidares, como uma enorme teia de aranha e no alto do triângulo uma grande flor brilhante de lótus, que emanava uma luz lilás.


Ao término do ritual, após a saída de todos os médiuns, as entidades ainda permaneciam no local, enquanto um grupo de Pretas Velhas varriam o chão ao redor do triângulo e do lado de fora do Terreiro com vassouras feitas de ervas, enquanto outro grupo lavava com aquela água cristalina , que vertia da parede de pedras do congá.
Findava a primeira parte deste importante Ritual da nossa amada Umbanda.

Luciana e eu


Os médiuns iam deixando o espaço sagrado ainda vibrando naquela energia, e na expectativa do Ritual do Amaci propriamente dito, de lavagem da cabeça, que aconteceria dois dias depois, e agradecendo ao Pai Oxalá pela oportunidade de pertencer a esta egrégora, preparando-se para mais um ano de trabalho na Umbanda.

Axé!

2 comentários:

  1. Mnha mae mandou um e-mail para os senhores, estou no aguardo, muito obrigado

    ResponderExcluir
  2. Olá! Já devo ter respondido, qualquer dúvida, envie novamente.

    ResponderExcluir