AVISO IMPORTANTE:

* Nossa casa fica em Porto Alegre (RS). Para maiores informações, contate-nos via e-mail.




terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Minha amada Maria Redonda



por Cândida Camini

Era noite de estudos e desenvolvimento mediúnico.
O tema abordado era “Desobsessão” e/ou “Encaminhando espíritos necessitados de auxílio”
Como de praxe, após uma hora e meia de teoria, iniciamos a prática, onde os médiuns de passagem iniciaram a incorporação destes espíritos.
Enquanto o trabalho se desenrolava, percebi que não estava só e, imediatamente, a entidade que me acompanhava começou a andar pelo salão, com a mão espalmada no meu peito, batendo de leve e emitindo um som que, num primeiro momento, me lembrou ‘vento’ (mas não era Iansã). O som era mais ou menos assim: schhhh schhhh schhhh schhhh.
Vez por outra se aproximava de um dos grupos de trabalho e auxiliava no atendimento.
Eu, dentro de mim, me perguntava quem era aquele espírito, que nunca havia sentido antes (pelo menos não desta forma). “Preciso perguntar depois ao Pai Joaquim” pensava eu.
Ao término da prática, ela sentou-se num banquinho e se apresentou (que perguntar ao Pai Joaquim que nada rsrsrsrs).
Era Maria Redonda, a Preta Velha que trabalha comigo.
Levei um susto, como assim?
E ela então explicou que este é um dos trabalhos que ela faz no astral, ou seja, auxilia o resgate dos pequenos que se encontram perdidos. Os mesmos vão sendo reunidos em uma espécie de Colônia de Socorro, próxima da Terra e, no momento certo (numa reunião como a daquele dia, por exemplo), são encaminhados.
Mas fez questão de ressaltar, que não só os pequenos de idade (crianças, a maioria), mas também os pequenos em evolução.
Neste momento lembrei-me de um atendimento onde ela comentou com o rapaz que conversava com ela das vezes em que foi até ‘lá embaixo’ buscá-lo, trouxe-o de volta, praticamente no colo, e ele nem percebeu que era ela. Mas neste dia achei que era uma situação específica, nunca imaginei que este era o trabalho dela. Eu sabia, por exemplo, que ela cuidava de crianças enfermas, mas não tinha ideia que eram, principalmente, crianças desencarnadas.
E então, lembrando de algumas situações que ocorreram durante a prática, me dei conta que realmente muitas manifestações eram de crianças. Em uma delas, um espírito feminino deu à luz, literalmente, durante o atendimento. Uma mãe, que desencarnou prestes a dar a luz, permanecia, em espírito, em simbiose com seu bebê, como se grávida ainda estivesse.
Outros médiuns presentes à reunião comentaram a presença de muitas crianças sendo resgatadas.
Só aí compreendi que o som que ela emitia, era aquele chiado característico que as mães fazem para acalmar seus bebês e que lembra um som que o bebê escuta dentro do útero materno, durante a gestação.

Finalizando, Maria Redonda agradeceu a dedicação e a predisposição dos médiuns para este importante trabalho e, emocionada, despediu-se, indo cuidar de seus pequenos.

Resolvi contar esta história porque ontem, antes da Gira com o Povo do Oriente, a Luciana, médium da casa e que estava presente à reunião, nos presenteou com esta imagem, justamente para que sempre nos lembrássemos deste lindo trabalho. 

Luciana, mais uma vez, Gratidão!

Maria Redonda, todo meu respeito e o meu amor!

Axé!

2 comentários:

  1. Como não se emocionar com esse relato?? Gratidão sempre, sempre e sempre!! 🌟❤️

    ResponderExcluir
  2. Então, Rafa, ela me pegou meio que de surpresa com esta história linda. Cada vez respeito e amo mais esta Nêga!

    ResponderExcluir