AVISO IMPORTANTE:

* Nossa casa fica em Porto Alegre (RS). Para maiores informações, contate-nos via e-mail.




domingo, 1 de setembro de 2013

Salve, Salve essa Nêga - Final - A trilha sonora

Desculpem a formatação do texto, juro que não fui eu rsrsrsrs Coisas do Blogger. Desisto e vou publicar assim mesmo. O que importa é o conteúdo!



“... Salve, salve essa nega
Que axé ela tem

Te carrego no colo e te dou minha mão
Minha vida depende só do teu encanto...”

O ambiente era tão calmo, tudo tão clarinho, tão limpinho. 
Será que estava sonhando? Por que “eles” me levaram ali? 
E aquela música? Justo aquela música?A música era “Dona Cila”, da Maria Gadu. 
Essa música tem um significado muito especial para a nossa família, em especial, para o meu marido. Quando a ouvi ficou difícil conter as lágrimas. Deixei que elas viessem, precisava chorar.Dali onde estava sentada enxergava o congá na parede, ao fundo, tinha umas nuvens pintadas e algumas imagens de orixás, cuidadosamente organizadas, além de algumas flores que serviam para deixar o lugar ainda mais bonito.
A sessão começa. Os médiuns entram e formam um círculo que se movimenta em sentido horário, enquanto toca uma linda melodia: 
Meu pai, Oxalá, obrigado meu pai que bom... As voltas do teu abraço, são laços de luz e som!” 
E dali em diante tudo me parecia muito familiar, sentia até vontade de cantar! 
Que alegria estar ali! A sessão transcorria como estava descrito no livro “Tambores de Angola” – que, por acaso, descobri que fazia parte do acervo da biblioteca da casa.
Na minha vez de tomar o passe ouvi, através do médium, um “muito obrigado”. Obrigado? Mas se alguém deveria estar grato, esse alguém era eu!  Foi uma emoção indescritível. Encontrei o que procurava! E mais lágrimas caíram e dessa vez se fundiam com as da “Preta Velha” que me dava o passe e me abraçava de maneira muito acolhedora. E essa “Preta” me parecia muito familiar, como tudo naquela casa.
“... Teu olho que brilha e não para
Tuas mãos de fazer tudo e até
A vida que chamo de minha
Neguinha, te encontro na fé...”

Meu tempo de passe tinha acabado, que pena! 
Não é que exista um tempo regulamentado para o passe, é que tem muitas pessoas para serem atendidas e a casa precisa manter uma certa ordem para que todos recebam o que foram buscar. 
Então a entidade pediu que ficasse mais um pouco, e nem precisava me pedir, porque não tinha a menor vontade de ir embora dali. Fui orientada a pedir um “encaixe” para ser atendida - As pessoas que não marcaram a consulta previamente podem deixar seu nome na lista e, conforme a disponibilidade vão sendo atendidas, e quase sempre, todos são atendidos – Esperei, e não demorou muito, chamaram meu nome. Dessa vez fui direcionada para outro médium, era um “Preto Velho” – me perdoem, mas dada a minha emoção, confesso que não perguntei nomes, aliás, não consegui perguntar nada, as lágrimas não permitiam. 
Então descobri que as perguntas não seriam necessárias.  Minha chegada era esperada e minhas angústias eram conhecidas. Minha maior angústia naquele momento era a saúde do meu marido. Ele estava fora do Brasil e as coisas não estavam saindo conforme o previsto e a sua saúde estava bastante comprometida. Sentindo-se sozinho e doente, ele só pensava em voltar para casa. Foram três longos e difíceis meses.  
Durante esse período, os mentores pediam que dissesse a ele que “relembrasse” - “Ele precisa relembrar. Diga a ele que relembre dos ensinamentos que recebeu quando criança e que faça as práticas” – e era o que eu fazia, praticamente todos os dias, dava o “recado” sem entender o que significava, mas como havia decido não opor resistência, fazia o que me pediam. 
Naquele momento da consulta, expliquei para o “Preto” o que estava acontecendo, que precisava ajudar meu marido a voltar ao Brasil e adivinha o que ele me disse: “Ele precisa relembrar. O “fio” sabe o que precisa fazer, ele precisa ter fé e colocar em prática os ensinamentos. A “fia” ainda tem que aprender, e o “fio”, relembrar o que já aprendeu. Diz pro “fio” ficá calmo que no outro sábado o “fio” vai tá entrando pela “quela” porta, aí “nois” vai ter muita coisa pra conversá”.

“... Me mostre um caminho agora
Um jeito de estar sem você
O apego não quer ir embora
Diaxo, ele tem que querer...”

Ah! Tem mais outro detalhe nessa história: não tinha contado para ele que iria a uma gira de Umbanda - justo eu, que nunca tenho segredos para ele! – Ainda mais esse: Gira de Um-banda. O Carlos é “da religião”, como a gente diz, só que ainda menino, a sua avó materna faleceu, daí ele pouco frequentava sessões e, quando ia, ficava sempre desconfiado. No fundo, acho que o que ele queria era reencontrar o elo com a sua avó, mas como não conseguia, acabava se decepcionando e, assim como eu, vivia a sua eterna busca. 
Enfim, a questão era: não poderia haver segredos dali em diante. 
Perguntei ao “Preto” o que devia fazer: contava ou não?   O “Preto” disse que contasse, que ele saberia entender, pois a religião estava nele e, com o tempo, tudo faria sentido. 
E foi o que fiz, contei. Como o “Preto” havia dito, as coisas se encaminharam como num passe de mágica, inacreditavelmente tudo se resolveu! Três dias depois, estava indo buscá-lo no aeroporto. 
No sábado seguinte, lá estávamos nós, juntos, entrando pelo portão daquela casa, da Casa Pai Joaquim de Cambinda.

“... Te carrego no colo e te dou minha mão
Minha vida depende só do teu encanto
Cila pode ir tranquila
Teu rebanho tá pronto...”

Como " Ogum Beira Mar” bem disse, em outra consulta: 
“Só há duas formas de aprender: pelo amor, ou pela dor, a filha é que escolhe!”
Escolho o amor.
Ah! E quanto à música? Essa história não sou eu quem vai contar, é o Carlos! 
Porque essa é mais uma pecinha que forma esse “quebra-cabeça divino” chamado vida!





Texto de Márcia Souza

http://marciaholi.blogspot.com.br/







Leia a primeira parte desta história no link:

http://www.casapaijoaquimdecambinda.blogspot.com.br/2013/08/quando-o-coracao-fala-6.html

E a segunda parte: 


Um comentário: