AVISO IMPORTANTE:

* Nossa casa fica em Porto Alegre (RS). Para maiores informações, contate-nos via e-mail.




quinta-feira, 21 de março de 2013

Diamante no lodo não deixa de ser diamante, só precisa ser trabalhado!


O médium quando inicia suas descobertas sobre a espiritualidade, nem sempre compreende o processo de reforma ao qual irá se submeter. 
Geralmente é impulsionado pelo fascínio diante do contato com o mundo espiritual, até então considerado como algo sobrenatural.
Este fascínio é comum à grande maioria, o que varia é o tempo em que ficaremos apenas buscando informações sobre quem são as Entidades que nos acompanham, quais trabalharão comigo, quem são meus Protetores e quais são as cores de suas guias.  
A oportunidade de conhecer esses Espíritos que nos guiam nos enche o coração de esperança e entusiasmo, um misto de curiosidade e felicidade. Poder incorporar uma Entidade respeitada e cultuada por muitos, nos deixa orgulhosos de sermos esse intermediário entre os dois mundos.
A empolgação pode ser tanta que nos impede de refletirmos sobre a nossa real necessidade de desenvolvimento mediúnico, tampouco nos darmos conta das mudanças intimas pelas quais já estamos passando.
Todo foco de atenção está direcionado em saber qual o tipo de mediunidade que poderei com mais facilidade utilizar durante os trabalhos (clarividência, incorporação, psicografia.....) Junte-se a isto, começar a receber nossos protetores e ficamos por vezes perplexos, por vezes felizes com tantas descobertas.
Nada nesses primeiros passos deve ser desconsiderado e/ou deixado para segundo plano, porém não devemos nos preocupar somente com o que foi relatado anteriormente, precisamos também nos permitir nos vermos como seres em desenvolvimento, e desta forma perceber um pouco de reforma intima que está acontecendo. 
Com certeza o desenvolvimento mediúnico fará você assumir e habilitar o DOM com o qual foi ungido, e uma das formas para facilitarmos essa primeira etapa de aprendizado e evolução é dominarmos os medos e inseguranças, ansiedades e curiosidades, para que possamos nos entregar confiantes às mudanças que acontecerão, guiadas pela ESPIRITUALIDADE MAIOR.
Na caminhada em busca da maioridade do espírito, tenhamos a certeza que neste inicio de jornada se faz necessário alem dos conhecimentos de nossos Protetores, reconhecermos que um dos maiores obstáculos pode ser nós mesmos, com todas as nossas falhas, medos , anseios, conceitos e pré-conceitos, inerentes a todos os seres humanos.  
Que estejamos sempre atentos aos nossos sentimentos, que estejamos sempre vigilantes aos nossos pensamentos, para que dessa forma possamos lembrar de nossa condição de sermos seres em busca de evolução, e através da mediunidade temos mais uma oportunidade.
Já é sabido por todos que a Mediunidade é um mecanismo delicado e suscetível, e que deve ser tratado com atenção, zelo e cuidado; controlar os nossos sentimentos, por vezes parece tarefa tão árdua como convencermos um irmão desencarnado a seguir um novo caminho. 
Em alguns momentos parecemos perder as rédeas de nossos sentimentos, por vezes amamos demais, por vezes amamos de menos; por vezes nos preocupamos demais, por vezes nos preocupamos de menos; algumas oportunidades nos fascinam demais outras de menos, e como controlar esse tipo de sentimento? Como controlar essas sensações e mantermos o equilíbrio necessário para realização de um bom trabalho e/ou um bom estudo e aprendizado.
Somos intermediários do plano terrestre com o plano espiritual, sim! Mas isso não nos coloca num patamar diferente dos demais. 
Todo médium é uma criatura dotada de certo grau elevado de sensibilidade. 
Por decorrência, esta particularidade, que no fundo é da própria essência da mediunidade, acaba por deixar o médium mais suscetível, mais sensível à critica, à agressividade, tanto quanto ao elogio e à bajulação. 
É nesses momentos que precisamos estar muito atentos  ao que sentimos, ao que falamos. Nestes momentos é que a força e sabedoria das Entidades que nos guiam poderão se unir a nós e possibilitar a junção de forças em busca de equilíbrio e aprendizado, e que possamos neste momento lembrarmos de nossa condição de Médiuns Seres Humanos, que se encontram em constante busca pela evolução.
Permita-se manter o equilíbrio e harmonia de seus sentimentos; suas qualidades morais e psíquicas não devem ser tomadas pela desordem emocional. Afinal de contas “um instrumento desafinado não pode produzir fielmente, a melodia desejada”





Aos companheiros de SEARA – um grande beijo.

Lissandro Silva - Médium da Casa






Um comentário:

  1. Poxa, Lissandro! Obrigada pelo belíssimo texto que, de certa forma, me ajudou entender algumas coisas.

    ResponderExcluir